Roer unha faz muito mal, alertam especialistas

Mulher roendo unhass

 

Vício está ligado ao estresse e pode causar sérias infecções, deformações e até a perda da unha.

O hábito de roer unhas não é tão inofensivo quanto parece. A mania pode causar infecções,encravamento, deformações e até a perda da unha. O vício geralmente é adquirido na infância e está ligado ao estresse. A ajuda psicológica é uma das alternativas para acabar com o problema, que também pode ser tratado com antidepressivos em casos de disfunções neurológicas.

 

A mania de roer unha é adotada como uma tentativa de fugir de situações estressantes,explica a psicóloga Kellen Escaraboto. “A ansiedade desencadeia esse tipo de reação. Assim como tem gente que busca essa fuga na comida, nas compras e em outros hábitos”, exemplifica.

 

A psicóloga afirma que o hábito geralmente é adquirido na infância. “É muito raro alguém desenvolver esse comportamento na fase adulta”, diz. Kellen esclarece que crianças cujos pais roam unhas podem adotar o hábito como modelo. “É comum os filhos observarem e repetirem coisas que estejam acostumados a ver em casa”, destaca.

 

Velhos truques como passar pimenta ou substâncias amargas nos dedos das crianças não resolvem o problema, na opinião da psicóloga. “É como se a criança estivesse sendo punida por fazer algo errado. Entretanto, é importante verificar o que está desencadeando esse hábito e ver quais são as situações de estresse que a criança está passando. Caso contrário, ela pode até parar de roer unha momentaneamente por causa da pimenta. Mas são grandes as chances de voltar a fazer isso quando estiver estressada ou adquirir outros hábitos prejudiciais, como comer demais ou arrancar cabelos, por exemplo”, argumenta Kellen.

 

LEIA TAMBÉM  Caminhão tomba na intersecção do Palmital na manhã desta quarta-feira

Segundo ela, a psicoterapia comportamental é uma forma de resolver o problema, principalmente na infância. “Existem técnicas específicas que são indicadas com sucesso para que a pessoa pare de roer unha. Nesse processo, a criança é orientada a buscar um comportamento alternativo e a fazer outras coisa s no momento em que se sinta estressada”.

 

A psicóloga diz que os pais também recebem orientações. “Eles são fundamentais nesta fase de readaptação das crianças e são orientados a verificar em que tipo de situações a criança rói a unha e que atitude devem tomar quando isso acontecer”, revela.

 

Para os adultos, é recomendado ter sempre a mão bem cuidada. “Tanto as mulheres quanto os homens devem manter as cutículas feitas e as unhas bem cuidadas para que, dessa forma, pensem duas vezes antes de levar os dedos à boca”, orienta Kellen. Ocorre em uma situação ocasional, de estresse. O exemplo dos pais influencia. Crianças que veem os pais roendo unha podem passar a fazer o mesmo.

 

O hábito pode ser despertado na escola, com a ansiedade gerada por provas ou por discussões com amigos. Em adultos, a família, o trabalho e a situação financeira podem influenciar no desenvolvimento da mania. O paciente rói as unhas com frequência, não somente quando está ansioso, mas também em momentos de relaxamento.

 

O hábito pode causar machucados sem que a pessoa perceba que está se automutilando. Quando o ato é causado pela ansiedade, o paciente deve identificar e tratar as causas. Quando não consegue parar sozinho, deve procurar um psicólogo. Se o paciente é diagnosticado com transtorno neurológico, é necessário buscar tratamento para descondicioná-lo de um hábito compulsivo. Em alguns casos, é receitada medicação antidepressiva, para diminuir a ansiedade.

 

LEIA TAMBÉM  Dr. Rodrigo apresenta esboço de possível solução para rotatória do Palmital

Além do risco de contrair vermes e bactérias, a mania de roer unhas pode causar infecções, unha encravada e até a perda definitiva da unha, conforme alerta o dermatologista Walter Campos.

 

Segundo ele, ao levar constantemente o dedo à boca, a pessoa cria um ambiente favorável à proliferação de fungos e bactérias. “A umidade local favorece o surgimento de infecções que podem causar dor, deformações na extensão das unha, que pode cair e, em casos extremos, perder a sua base natural e dessa forma não voltar a nascer novamente”, afirma.

 

O dermatologista diz que o tratamento para os casos de infecção é feito à base de antibióticos e antimicótico. “O tempo de tratamento varia conforme o caso. As infecções causadas por bactérias geralmente são curadas em uma semana. Já as provocadas por fungos levam até três meses para sarar.

 

Por isso é importante procurar um dermatologista para iniciar um tratamento eficaz sempre que houver dor ou infecção na pele ou na unha”, conclui.

 

Fonte: iacep.com.br

 

{fcomment}

 

 

SHARE

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here