Consumidor arrependido tem 7 dias para devolver produto da Black Friday

Não é necessário justificar o motivo da devolução, mas o produto deve estar conservado e na embalagem

materia-281116

 Quem comprou por impulso pela internet na Black Friday, evento realizado na última sexta-feira (25), e se arrependeu, tem até sete dias após o recebimento do produto para devolvê-lo sem precisar pagar os custos da compra e o frete.

O direito ao arrependimento está no Código de Defesa do Consumidor e também se aplica ao evento, lembra Bruno Stroebel, supervisor do Procon-SP.

Ele explica que não é necessário justificar o motivo da devolução, mas o produto deve estar conservado e na embalagem.

O consumidor pode comunicar à empresa seu desejo de devolver o produto via diferentes canais de atendimento, como telefone ou e-mail, diz Stroebel. É importante guardar cópias da mensagem em que é formalizado o pedido ou protocolo de atendimento e nome do atendente, quando o contato é feito via telefone.

Em caso de produtos com defeito, o consumidor também não arca com os custos da troca. A responsabilidade pela solução do problema não é apenas da loja onde a compra foi fechada.

Além dela, seus fornecedores e eventuais parceiros na venda (como no caso de terceiros que comercializam produtos em plataformas do tipo “marketplace”) também são responsáveis pelo caso.

LEIA TAMBÉM  Participe da Festa da Primavera!

Nesse caso, o prazo para devolução é de 30 dias para produtos não duráveis (como roupas e sapatos) e de 90 dias para itens duráveis (como eletrodomésticos e eletrônicos).

Reclamações

Seguindo previsões do mercado, a Black Friday deste ano teve menos problemas do que as edições anteriores, de acordo com dados do site Reclame Aqui.

O Procon-SP registrou 845 reclamações de compradores pela internet neste ano. Em 2015, ano que também registrou queda, haviam sido 1.184.

A queixa mais recorrente nesta edição foi a mudança de preços de produto no momento de fechamento da compra (quando o produto estava no carrinho). A seguir, vieram queixas sobre produtos em oferta indisponíveis e maquiagem de preços.

Vendas

As vendas no comércio eletrônico da última sexta-feira (25), quando ocorreu a Black Friday, foram 17% maiores do que no evento de descontos de 2015.

Na ocasião, o setor faturou cerca de R$ 1,9 bilhão, segundo a consultoria Ebit, do Buscapé, que reúne dados do comércio eletrônico brasileiro.

O resultado ficou abaixo do esperado pela própria consultoria, que projetava vendas de R$ 2,1 bilhões e crescimento de cerca de 30% para o evento.

LEIA TAMBÉM  Procura-se o dono...

A consultoria aponta que lojas virtuais anteciparam suas promoções para a noite de quinta-feira (24), provocando um aumento do consumo também no dia anterior à Black Friday.

Caso as vendas da Black Friday sejam somadas às de quinta-feira a partir das 20h, a movimentação do comércio eletrônico foi de R$ 2,06 bilhões.

Depois das compras Saiba o que fazer para resolver problemas o comércio eletrônico

Problema no carrinho

Se, por motivos técnicos, o consumidor não tiver conseguido fechar a compra, ele tem direito à manutenção das ofertas; para isso, é importante ter cópias das páginas visitadas durante a Black Friday.

Guarde e-mails

Mantenha confirmações de compras enviadas via e-mail e comunicações fornecidas pela empresa.

Demora

Aguarde o fim do prazo combinado com a empresa antes de reclamar de atraso na entrega; é recomendável primeiro entrar em contato com a empresa e, se o caso não for resolvido, buscar órgãos de defesa do consumidor.

Se preciso, reclame

Use canais para reclamações de consumidores; no caso do Procon-SP, o atendimento é feito via telefone (151) e a partir da internet; outra opção é o Reclame Aqui.

Fonte: ndonline.com.br

SHARE

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here