Barreira sanitária compartilhada por SC e PR começa a funcionar em Garuva

d559229c 5179 4149 a8c9 8b4d7c56e57e

 

Na última sexta-feira, 10, o Presidente da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina – Cidasc, Enori Barbieri, a secretária executiva da Agência de Desenvolvimento Regional – ADR de Joinville, Simone Schramm e o presidente Agência de Defesa Agropecuária do Paraná – Adapar, Inácio Afonso Kroetz assinaram o protocolo de compartilhamento entre os estados de Santa Catarina e Paraná. A barreira sanitária localizada em Garuva começou a funcionar.

 

Nós começamos esse trabalho de compartilhar estruturas há cinco anos. Fizemos com Rio Grande do Sul, com Argentina e agora avançamos com o Paraná. É muito importante, porque as doenças, nem animal e nem vegetal, elas não são divididas geograficamente. Além disso, permite redução de custos, mais segurança para quem está trabalhando na fiscalização e troca de informações dos bancos de dados”, disse o presidente da Cidasc, Enori Barbieri.

 

LEIA TAMBÉM  Sem iluminação, rotatória eleva riscos a motoristas

No posto de fiscalização, 43% das cargas são de produtos com origem animal. Outros 35% correspondem a mercadorias vegetais e 27% são cargas de animais vivos. Nove servidores trabalham no local. A área total compartilhada é de 14 mil metros quadrados e vai atuar no controle de saída das cargas agropecuárias catarinenses para o Paraná e no ingresso de cargas vegetais e animais em território catarinense. “É muito importante esse posto porque é um local estratégico para evitar o desvio de cargas que entram no nosso Estado”, disse o presidente da Adapar, Inácio Afonso Kroetz.

 

O uso simultâneo das estruturas entre agências de controle sanitário agropecuário atende resolução do Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul (Codesul) na qual os estados signatários – Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul – possam fazer o compartilhamento de estruturas instaladas nas divisas interestaduais. O controle sanitário dos produtos de origem animal e vegetal, bem como as cargas vivas, permitiu a Santa Catarina se tornar zona livre de peste suína clássica. Há nove anos possui certificação de zona livre de febre aftosa sem vacinação.

 

LEIA TAMBÉM  Secretaria de Educação lança edital de Matrículas do ano letivo 2018

 

 

Fonte:Ana Paula Keller – ADR – Joinville

{fcomment}

SHARE

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here